Peelings Químicos

Os peelings químicos são procedimentos onde se podem utilizar diversos tipos de ácidos em altas concentrações de acordo com as características da pele da paciente e de acordo com os resultados desejados. Em geral, observa-se após o peeling uma melhora no brilho e na maciez da pele, com atenuação das linhas de expressão e clareamento das manchas.

Os peelings podem atingir diversas profundidades, sendo então classificados em superficiais, médios e profundos. As peles mais envelhecidas podem necessitar de peelings mais profundos, com resultados mais evidentes, entretanto exigindo uma recuperação mais demorada.

Os peelings superficiais podem ser realizados de forma seriada, semanalmente, ou associados a procedimentos como luz intensa pulsada e laser. A descamação costuma ser fina e observa-se uma melhora no tônus, na textura e na coloração da pele, além do clareamento e da estimulação da formação de colágeno. O paciente não precisa se afastar de suas atividades.

Os peelings médios e profundos são indicados em casos mais específicos, para pacientes que tem um grau mais acentuado de fotoenvelhecimento, com a presença de ceratoses e rugas profundas. Provocam uma descamação mais profunda e necessitam de alguns dias de afastamento das atividades normais.

A pele deve ser preparada cerca de 15 dias antes para receber o peeling afim de que se obtenham bons resultados. Além disso, após o peeling, a paciente deve prosseguir utilizando um tratamento pós-peeling com o objetivo de evitar possíveis efeitos indesejáveis como pigmentação pós-peeling. Por isso cada caso deve ser avaliado individualmente para que bons resultados sejam obtidos.